A Samsung está mudando o propósito de smartphones mais antigos para permitir um maior acesso a cuidados de saúde oftalmológica em comunidades carentes em todo o mundo. A Samsung estabeleceu uma parceria com a Agência Internacional de Prevenção da Cegueira (IAPB) e o Sistema de Saúde da Universidade de Yonsei (YUHS) na Coreia do Sul para criar dispositivos médicos¹ que examinem doenças oculares por meio da reutilização dos smartphones Galaxy que não são mais usados. O programa Galaxy Upcycling está ajudando a abordar aproximadamente um bilhão de casos globais de deficiência visual que podem ser evitados com um diagnóstico adequado.

 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo menos 2,2 bilhões de pessoas têm alguma forma de deficiência visual, em que quase metade desses casos seriam preventivos ou ainda não tenham sido atendidos. Há uma grande disparidade na prevalência de deficiência visual, dependendo da acessibilidade e disponibilidade de serviços de cuidados oftalmológicos. Estima-se que isso seja quatro vezes mais comum nas regiões de baixa e média renda em comparação com as regiões de alta renda²

 

“Pessoas em todo o mundo enfrentam barreiras para acessar cuidados de saúde fundamentais, e vimos uma oportunidade de criar soluções inteligentes e inovadoras que reutilizam produtos para promover práticas mais sustentáveis e causar um impacto positivo em nossas comunidades”, disse Sung-Koo Kim, Vice-Presidente do Escritório de Gestão de Sustentabilidade de Negócios de Comunicações Móveis na Samsung Electronics. “Este programa incorpora a crença da Samsung de que a tecnologia pode enriquecer a vida das pessoas e nos ajudar a construir um futuro mais justo e sustentável para todos.”

 

A câmera de fundo de olho EYELIKE é exibida na Conferência de Desenvolvedores 2019 da Samsung

 

Em 2017, a Samsung criou o programa Galaxy Upcycling para apresentar maneiras inovadoras pelas quais os dispositivos Galaxy podem ter um impacto positivo. Por meio do programa, um smartphone Galaxy mais antigo pode se tornar o cérebro da câmera de fundo de olho EYELIKE™³, que se conecta a uma lente para diagnóstico de fundo de olho aprimorado, enquanto o smartphone é usado para capturar imagens. O dispositivo Galaxy então utiliza um algoritmo de inteligência artificial para analisar e diagnosticar as imagens para doenças oftalmológicas e se conecta a um aplicativo que captura com precisão os dados do paciente e sugere um plano de tratamento por uma fração do custo dos instrumentos comerciais. A câmera de diagnóstico exclusiva e acessível pode analisar os pacientes em condições que podem levar à cegueira, incluindo retinopatia diabética, glaucoma e degeneração macular relacionada à idade.

 

“Estávamos procurando uma solução de diagnóstico de saúde ocular que fosse econômica para alcançar o maior número possível de pessoas e, quando vimos o desempenho dos smartphones Galaxy da Samsung, queríamos integrar seus esforços de reutilização em nossa pesquisa”, disse o Dr. Sangchul Yoon, do Sistema de Saúde da Universidade de Yonsei. “A combinação do uso de várias tecnologias ópticas e inteligência artificial, juntamente com o desempenho da câmera de um smartphone Galaxy, criou um dispositivo médico acessível que é tão capaz quanto uma câmera de fundo de olho usada por profissionais médicos. Isso não só resolveu um problema de saúde, mas também uma crescente preocupação ambiental.”

 

Desde 2018, a Samsung se associou com a IAPB e o Sistema de Saúde da Universidade de Yonsei (YUHS) para beneficiar a vida e a visão de mais de 19 mil residentes no Vietnã com sua câmera de retina portátil. Só em 2019, forneceu 90 oftalmoscópios portáteis para profissionais de saúde que operam em regiões remotas do país sem acesso a ambulatórios. Agora, a Samsung expandiu o programa para Índia, Marrocos e Papua-Nova Guiné. A Samsung também está ampliando suas funções para novas áreas de análise, incluindo o uso de dispositivos Galaxy reciclados para criar colposcopias portáteis baseadas em smartphone para analisar o câncer cervical e melhorar o acesso das mulheres a cuidados de saúde de qualidade.

 

Pacientes se submetem a exames de detecção de doenças oculares no Vietnã (à esquerda) e Marrocos (à direita)

 

Pacientes se submetem a exames de detecção de doenças oculares na Índia (esquerda e direita)

 

“À medida que o mundo se recupera lentamente da pandemia de COVID-19, é mais evidente do que nunca que a tecnologia pode ser implementada como uma solução para a saúde ocular. Nos países onde a Plataforma EYELIKE é testada, terrenos difíceis, longas distâncias e populações remotas aumentam a necessidade de tecnologia que nos ajude a conectar e melhorar o acesso aos cuidados”, disse Drew Keys, Coordenador da Região do Pacífico Ocidental (WPR) na Agência Internacional para a Prevenção da Cegueira (IAPB). “A IAPB está muito satisfeita que a Samsung esteja trabalhando de perto com suas organizações membros para testar essas soluções. Trabalhar com a Samsung permite que nossas organizações membros forneçam tecnologia em países-piloto e construam relacionamentos cooperativos e construtivos nessas regiões.”

 

Além de seu compromisso com a inovação proposta, a Samsung está incorporando a sustentabilidade ambiental em tudo o que fazemos. Isso inclui trabalhar em direção à nossa meta de coletar 7,5 milhões de toneladas de e-waste (lixo eletrônico) e fazer uso de 500 mil toneladas de plástico reciclado até 2030. Ao transformar smartphones Galaxy em um equipamento de diagnóstico ocular portátil de baixo custo, a Samsung ajuda a desviar e-waste de aterros sanitários enquanto fornece soluções médicas inovadoras para comunidades carentes. Além disso, o equipamento de diagnóstico da câmera de fundo de olho é feito com 35% de conteúdo reciclado e é projetado para fácil reutilização e foi reconhecido pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) com o prêmio Sustainable Materials Management Cutting Edge Champion. O programa Galaxy Upcycling é parte do compromisso contínuo da Samsung em apoiar a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável por meio dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

 

Por meio de programas como Galaxy Upcycling, a Samsung não está apenas fornecendo tecnologias inovadoras que remodelam nossas experiências com o mundo, mas também empoderando os consumidores a desempenhar um papel chave na promoção de comportamentos mais conscientes com o meio ambiente.

 

Sobre a Agência Internacional para a Prevenção da Cegueira.
 
Entidade máxima mundial em saúde ocular estabelecida em 1975 com mais de 180 organizações membros operando em todo o mundo. A IAPB se concentra em esforços de promoção para unir o setor por trás das recomendações do Relatório Mundial sobre Visão com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.
 
Sobre o Sistema de Saúde da Universidade de Yonsei.
 
O Sistema de Saúde da Universidade Yonsei (YUHS) é a primeira instituição médica moderna na Coreia do Sul e tem sido uma instituição líder no país por mais de 130 anos. O Hospital Severance e a Faculdade de Medicina da Universidade de Yonsei fazem parte do Sistema de Saúde da Universidade de Yonsei. O Hospital Severance opera cerca de 2.437 leitos em cinco hospitais gerais: o Hospital de Câncer Yonsei, Hospital de Reabilitação, Hospital Cardiovascular, Hospital de Olhos e o Hospital Infantil e busca ser o líder mundial em tratamento médico e atendimento ao paciente. O YUHS espalha continuamente o conhecimento e a experiência para a sociedade global nas áreas de cuidados de saúde e serviços médicos. Assim, o Instituto Yonsei de Saúde Global, um departamento dedicado à saúde global do YUHS, se comunica e colabora intimamente com a sociedade global com base em seu conhecimento profissional e experiência para garantir a saúde universal e melhorar as desigualdades na saúde em todo o mundo.

 

¹ EYELIKE é liberado pelo Ministério de Alimentos e Segurança de Medicamentos da Coreia do Sul.

² Grupo de Especialistas em Perda de Visão do Estudo de Carga Global de Doenças. Causas da cegueira e deficiência visual em 2020 e tendências ao longo de 30 anos: avaliando a prevalência da cegueira evitável em relação ao “VISÃO 2020: o direito à visão”. Lancet Global Health 2020. doi.org/10.1016/S2214-109X (20)30489-7

³ Marca registrada no Vietnã, Coreia do Sul, Bangladesh e Índia.